Comparação de modelos dos sistemas de medição de desempenho com base nos indicadores de qualidade

Taís Pentiado Godoy, Roger da Silva Wegner, Leoni Pentiado Godoy, Wagner Pietrobelli Bueno, Cyro Rei Prato Neto

Resumo


O objetivo desta pesquisa é fazer um levantamento bibliográfico dos sistemas de medição de desempenho, a fim de explanar suas vantagens e desvantagens para realçar suas diferenças, buscando identificar quais, os modelos que foram mais utilizados nas organizações. Ressalta-se que, o trabalho procura definir os indicadores de qualidade com a intenção de tornar possível o conhecimento da qualidade adequada, permitindo um monitoramento de forma correta para micro e pequenas empresas. A pesquisa se caracteriza como um estudo exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa. Justifica-se a pesquisa na possibilidade de conhecer uma metodologia que permita às empresas de pequeno porte, um processo de tomada de decisão baseado em indicadores. Conclui-se que, as organizações consideram importante o uso de indicadores de desempenho, principalmente as dimensões de: clientes e funcionários, inovação e financiamento. Finalmente, os resultados mostram a medição do desempenho, identificando estratégias de inovação, considerando as tendências e oportunidades que se destinam a assegurar a geração de valor para o cliente.


Palavras-chave


Medição de desempenho; Qualidade; Vantagens e desvantagens.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGRAWAL, S.; SINGH, R.K.; MURTAZA, Q. Outsourcing decisions in reverse logistics: sustainable balanced scorecard and graph theoretic approach. Resources, Conservation and Recycling, v.108, p. 41-53, 2016.

ASSIRI, A., ZAIRI, M., EID, RIYAD. How to profit from the balanced scorecard. Industrial Management & Data Systems, v. 106, n. 7, p. 937-952, 2006.

BAKER, J.D. Language of improvement: metrics, key performance indicators, benchmarks, analytics, scorecards, and dashboards. AORN Journal, v. 102, n. 3, p. 223-227, 2015.

CAMPOS, J. A. Cenário Balanceado: painel de indicadores para gestão estratégica dos negócios. São Paulo: Aquariana, 1998.

CAUCHICK, P. A. Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. Elsevier: Rio de Janeiro, 2012.

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA. Avaliação e diagnóstico da gestão organizacional. 19. Ed. Fundação nacional da Qualidade, FNQ. São Paulo, 2011.

FERNANDES, et al. Construindo o diálogo entre competência, recursos e desempenho organizacional. Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 46, n. 4, p. 48-65, 2006.

FU, A. Theory of Constrains and Activity-Based costing: can we get the best of both worlds. University of Auckland, v. 2, n. 2, 2000.

GODOY, P. Taís. Inovação como estratégia competitiva nas organizações de serviços da região central, RS: com base em sistema de medição de desempenho. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSM. Santa Maria, RS, 2013.

GOLDRATT, E. M. Lean, Six Sigma and TOC. Disponível em: . Acesso em: julho. 2012. Apresentação em vídeo disponível para aquisição no endereço eletrônico, 1996.

GOLDRATT, E. M. TOC Insights. 4 Self learning computer software: Operations; Finance and Measurements. Project Management, Distribution, 2003.

GOLDRATT, E. M., COX, JEFF. A Meta. 2 ed. São Paulo: Nobel, 2011.

GOLMOHAMMADI, D.A study of scheduling under the theory of constraints. International Journal of Production Economics, v. 165, p. 38-50, 2015.

GUERREIRO, R. A meta da empresa: seu alcance sem mistérios. 2 ed. São Paulo: Atlas, p. 133, 1999.

GURD, B., GAO, T. Lives in the balance: an analysis of the balanced scorecard (BSC) in healthcare organizations. International Journal of Productivity and Performance Management. v. 57, n. 1, p. 6-21, 2008.

HRONEC, S. M. Sinais Vitais: usando medidas de desempenho da qualidade, tempo e custo para traçar a rota para o futuro de sua empresa. São Paulo: Makron Books,1994.

ITTNER, C. D., LARCKER, D. F., RANDALL, T. Performance implications of strategic performance measurement in financial services firms. Accounting, Organizations and Society, Oxford, v. 28, n. 7 e 8, p. 715-741, 2003.

JURAN, J. M. A qualidade desde o projeto. Cengage Learning, São Paulo, 2009.

KAPLAN, R. S., NORTON, D. P. Mapas Estratégicos: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

KAPLAN, R. S., NORTON, D. P. The Balanced Scorecard: translating strategy into action. Boston: Harvard Business School Press,1996.

KOŽENÁ M., CHLÁDEK T. Company Competitiveness measurement depending on its size and field of activities, Procedia. - Social and Behavioral Sciences, v. 58, p. 1085-1090, 2012.

MARR, B.; SCHIUMA G. Business performance measurement – past, present, and future. Management Decision, v. 41, n. 8, p. 680-7, 2003.

OKUTMU, E.; KAHVECI, A.; KARTAŠOVA, J. Using theory of constraints for reaching optimal product mix: an application in the furniture sector. Intellectual Economics, v. 9, n. 2, p. 138-149, 2015.

OTHMAN, ROZHAN. Enhancing the effectiveness of the balanced scorecard with scenario planning. International Journal of Productivity and Performance Management, v. 57, n. 3, p. 259-266, 2008.

PETERS, D.H. et al. O Balanced scorecard for health services in Afghanistan. Bulletin of the World Health Organization, v. 85 p.146-151, 2007.

ROCHA, T. P. M., ROCHA, D. P. M. Avaliação de desempenho como ferramenta para sistemas de gestão auto mensuráveis: Um estudo de caso numa incubadora de empresas tecnológicas. IN: Seminários em Administração, 9.ed. 2006.

SCHMIDT, P., SANTOS, J. L. dos, MARTINS, M. A. Avaliação de empresas: foco na análise de desempenho para o usuário interno: teoria e prática. São Paulo, Atlas, 2006.

VÎTOLA, L.; ERIÒA, J. R&D expenditures by higher education sector and analysis of performance indicators of Baltic states. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 213, p. 223-228, 2015.

WACHHOLZ, L. C. Metodologia para montagem de um sistema de indicadores da qualidade para tomada de decisões em empresas. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSM. Santa Maria, RS, 1997.




e-ISSN 2175-8018


Creative Commons License
IJIE - Iberoamerican Journal of Industrial Engineering foi licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.


Iberoamerican Journal of Industrial Engineering. Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas. Florianópolis, SC, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial do IJIE, encaminhe um e-mail para periodico.ijie@gmail.com ou ijie@contato.ufsc.br