Estratégia de diferenciação na indústria automobilística e as vantagens competitivas sustentáveis sob a óptica do Triple Bottom Line

Viviane Chunques Gervasoni, Dirceu da Silva, George Bedinelli Rossi

Resumo


Este estudo visa responder Como a estratégia de diferenciação proporciona vantagem competitiva sustentável, pelo uso do Triple Bottom Line – TBL, para a indústria automobilística? E, como objetivo verificar se empresas que desenvolvem práticas sustentáveis, por meio do TBL, tem vantagem competitiva. Para tanto fez-se uma pesquisa qualitativa tipo estudo de casos múltiplos com amostragem teórica e coleta de dados documental. Os dados foram coletados nos relatórios publicados pela BM&F BOVESPA e disponibilizados nos relatórios de sustentabilidade. Para os aspectos social e ambiental foram usadas informações divulgadas, além de visita as instalações da empresa. Os resultados evidenciam que o desenvolvimento de práticas sustentáveis sob a óptica do Triple bottom line é uma estratégia de diferenciação e gera vantagem competitiva sustentável.


Palavras-chave


Estratégia; Vantagem competitiva; Triple bottom line; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF/A

Referências


AAKER, D. A. (1984). How to select a business strategy. California Management Review, v. 26, n. 3, p. 167-181.

ALLEN, M. G. (1978). Strategic planning with a competitive focus. The McKinsey Quarterly, v. 1, n. 1, p. 2-13.

ANSOFF, H. I. (1965). Corporate strategy. Harmondsworth: Penguin.

_____, H. I.e MCDONNELL, E. J. (1993). Implantando a administração estratégica. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 590 p.

AUTODATA. Terreno Fértil- Setor automotivo intensifica programas e práticas em busca de sustentabilidade. Ano 19. Junho 2011 Ed. 262.

BM&F BOVESPA. Demonstrativos financeiros. Disponível em:

Financeiros.aspx?codigoCvm=14109&idioma=pt-br>. Acesso em: 29 dez. 2011.

BARBIERI, J. C e SIMANTOB, M. A; (Org.) (2007). Organizações Inovadoras Sustentáveis: uma reflexão sobre o futuro das organizações. São Paulo: Atlas.

BARNEY, J. B. (1995).Looking inside for competitive advantage. The Academy of Management Executive, nov. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2010.

BATEMAN, T. S. e SNELL, S. A. (1998). Administração: construindo vantagem competitiva. 1ª ed. São Paulo: Atlas.

COHEN, C.(2003). Padrões de Consumo e energia: efeitos sobre o meio ambiente e o desenvolvimento. In: MAY, P. H; LUSTOSA, M. C; VINHA, V. (Org.). Economia do meio Ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier.

COSTA, Dayanna dos Santos; FARIAS, Adrian a Salete Dantas; FREITAS, Lucia Santana de.(2011). Utilização da eco-inovação no processo de manufatura de cerâmica vermelha. SIMPOI.

CUSUMANO, M. A.e NOBEOKA, K. (1993). Strategy, structure and performance in product development: observations from the auto industries. Research Policy, v. 21, p. 265-293.

HUNT, S. D.e MORGAN, R. M. (1995). The comparative advantage theory of competition. Journal of Marketing, v.59, p.1-15, Apr.

IUDÍCIBUS, Sérgio et al. (1998).Contabilidade Introdutória. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 310 p.

KOTLER, P. (1996). Administração de Marketing. 4ª. ed. São Paulo: Atlas.

LEVITT, T. (1980). Marketing Success Through Differentiation of Anything. Harvard Business Review. p.83-91, Jan.-Fev.

MALHOTRA, Naresh K. (2001). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4ª ed. São Paulo: Bookman, 720 p.

MARTINS, Eliseu. (2008). Contabilidade introdutória. Atlas.

MINTZBERG, H.. Generic Business Strategy. (1996). In: MINTZBERG, H.; QUINN, J. B. The Strategy Process: Concepts, Contexts, and Cases. New Jersey: Prentice Hall.

OHMAE, K. (1978). Effective strategies for competitive success. The McKinsey Quarterly, v. 20, n. 2, p. 50-59.

PORTER, M. E. (1998). In: MONTGOMERY, C. A.. Como as Forças Competitivas Moldam a Estratégia. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. 4ª. Ed. Rio de Janeiro: Campus.

______, M. E. (2004). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 5ª. Ed. Rio de Janeiro: Campus.

PIRES, S.(1995). Gestão estratégica da produção. Piracicaba: Unimep.

PRAHALAD, C. K.e HAMEL, G. A Competência Essencial da Corporação. In: MONTGOMERY, C. A.; (1998). PORTER, M. E. Estratégia: a busca da vantagem competitiva. 4ª. Ed. Rio de Janeiro: Campus.

RANDON. Sustentabilidade. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2011.

RENNINGS, K. (2000). Redefining Innovation – eco-innovation research and the contribution from ecological economics. Ecological Economics, V. 32, p. (319-332).

RICARDO, D. (1996). Princípios de economia política e tributação. 1ª ed. São Paulo: Nova Cultura.

ROMEIRO, A. R.(1999). Desenvolvimento Sustentável e Mudança Institucional: notas preliminares. Texto para Discussão, IE/UNICAMP, Campinas, n. 68, abr.

SACHS, Ignacy. (1993). Estratégias de Transição para do século XXI – Desenvolvimento e Meio Ambiente. São Paulo: Studio Nobel – Fundação para o desenvolvimento administrativo.

SENHORAS, Eloi; DIAS, Josimara. Tendências da indústria automotiva brasileira: um estudo do caso FIAT. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2011.

SZEKELY, F. e KNIRSCH, M. (2005). Responsible leadership and corporate social responsibility: metrics for sustainable perfoemance, European Management Journal, v. 23, n. 6, p.628-647.

SILVA, C. F. (2001). Estratégias de operações de serviços hoteleiros. Turismo: Visão e Ação, São Paulo, v. 3, n. 7, p. 95-101, out. 2000/mar.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.